• +55 41 3657-2021
  • 41 98501-0741
  • R. Frei Jacinto Govaski, 707, Almirante Tamandaré - PR

Sódio, o perigo invisível

Hipertensão, doenças cardiovasculares, infarto agudo do miocárdio, acidente vascular encefálico... essas e outras patologias podem ser desencadeadas e agravadas por esse mineral.

O sódio é um mineral encontrado em diversos alimentos e também no sal de cozinha – composto por 40% de sódio. Apesar de ser um mineral de suma importância para o bom funcionamento do organismo, seu excesso pode ser extremamente prejudicial à saúde. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o consumo de 2000 a 2400 miligramas de sódio, ou seja, 5 a 6 gramas de sal por dia.  Mas no Brasil, um adulto médio consome mais do que o dobro desta quantidade diariamente, 12 gramas de sal.
 
O excesso de sódio no nosso organismo se acumula no sangue e no fluído extracelular, ou seja, fora das células, causando assim um desequilíbrio. Esse sódio excedente estimula a vasoconstrição das artérias e causa a retenção de líquido no corpo. Por causa da retenção de líquido, o volume sanguíneo aumenta, fazendo com que o coração bombeie sangue mais rápido do que o normal, o que resulta na elevação da pressão arterial. Quando isso ocorre de forma permanente recebe o nome de hipertensão arterial, ou seja, a tão comentada “pressão alta”. 
 
A elevação da pressão força as paredes das artérias, afetando negativamente principalmente o coração e o cérebro. No coração pode causar ataque cardíaco. No cérebro, a pressão arterial alta é a principal causa de acidente vascular encefálico (o popular “derrame”). Essas doenças do aparelho circulatório são as responsáveis pelo maior número de óbitos no Brasil. O consumo excessivo de sódio também afeta as funções renais e pode desencadear outras patologias no sistema renal. 
 
Diante disso, os tratamentos para o controle da pressão sanguínea podem constituir eficazes estratégias para reduzir a incidência dessas doenças. No entanto, reduzir o consumo de sódio no dia a dia é um desafio. O sódio está presente em muitos alimentos e com frequência não é notado. Por isso o seu título de vilão invisível.
 
O ideal seria cozinhar sem sal e depois acrescentá-lo, para assim controlar com precisão a quantidade de sódio ingerida. Mas, não adianta apenas monitorar o pacote de sal, é preciso ficar de olho nos alimentos industrializados como biscoitos salgados, salgadinhos, produtos congelados, fast foods, embutidos, conservas e temperos prontos. Os alimentos doces também têm sódio. Bolachas recheadas e refrigerantes são bons exemplos disso. 

Portanto, atenção na hora de preparar o alimento. A dica é fazer escolhas mais saudáveis e optar por temperos naturais como alho, cebola, ervas aromáticas e especiarias, evitando também alimentos industrializados e comidas rápidas prontas para o consumo.